Quando é que esta situação acaba?! O contexto de pandemia e a incerteza… como lidar?

Por mais que seja difícil de aceitar, a incerteza faz parte da vida!

No entanto, em situações de crise, como o contexto de pandemia em que vivemos, os sentimentos de incerteza tendem a agravar-se, fruto da imprevisibilidade e do que esta traz consigo… surgindo questões que esperam respostas…

 

Quanto tempo mais ou até quando vamos continuar assim? Será que vai haver uma “segunda vaga”? Será preciso ter de voltar ao isolamento físico e/ou a um estado de emergência? O que será, no futuro, a “vida normal”? Que mais implicações e como lidar com as consequências actuais e futuras que se reflectem nas diferentes dimensões da nossa vida… a nível pessoal, social, profissional,…? Que “heranças” deixará esta pandemia? (hábitos no quotidiano, no [tele]trabalho, no ensino [à distância], nas diversas instituições, …)? E se eu (ou as pessoas que me são queridas) vier a ficar infectado/a? O que me irá acontecer? (…)

 

As perguntas… são mais que muitas e não há respostas ou certezas inabaláveis numa realidade em constante mudança e desconhecida.

 

A incerteza é um dos maiores desafios psicológicos deste tempo de pandemia.

 

É difícil fazer planos ou antecipar toda a multiplicidade de problemas e impactos que podem advir.

 

Mas… se a incerteza é das únicas certezas da vida e se está presente, em escolhas ou situações, no nosso dia-a-dia, porque nos é tão difícil lidar com ela?

 

Porque o contexto de pandemia em que vivemos, vem enfatizar e tornar mais saliente esta característica da existência humana e a nossa vulnerabilidade! É a previsibilidade que nos dá uma sensação maior de controlo e conforto no nosso dia-a-dia. Preferimos saber o que vem a seguir, do que enfrentar algo desconhecido.

 

Como podemos lidar com a incerteza?

 

  • Aceite a incerteza e a imprevisibilidade. Lembre-se que já lida com a incerteza todos os dias: não sabemos se, quando decidimos trocar de emprego, as coisas irão correr bem, nem sabemos como será o desenrolar de uma nova relação amorosa, ou outras decisões que façamos… Aceite que estas incertezas fazem parte da vida, que nos podem deixar ansiosos, apreensivos, confusos ou desorientados, mas que, ainda assim, também que não costumam (nem podem!) impedir-nos de continuar.

 

  • Pratique a vivência de incerteza. Existem muitas coisas, no nosso quotidiano, que podem resultar e ter sucesso sem conhecermos, à partida, a forma como vão acontecer. Experimente a incerteza em pequenas coisas do dia-a-dia: faça uma receita sem seguir todos os passos ou alterando ingredientes; vá dar um passeio sem definir uma trajectória à partida; escolha um filme para ver sem ter qualquer informação sobre ele. Praticar a vivência de incerteza permite-nos lidar com o imprevisto, sermos surpreendidos e colocados em situações desconhecidas e desenvolver, progressivamente, sentimentos de maior conforto perante o incerto.

 

  • Lembre-se de situações que tenha experienciado e que geraram sentimentos iniciais de incerteza e tiveram, posteriormente, resultados positivos. Muitos eventos e projectos da nossa vida, que correram bem, começaram por implicar um grande investimento da nossa parte, num cenário de incerteza. Por exemplo, um emprego novo que aceitámos, sem sabermos se era a opção certa para a nossa carreira (mas arriscamos!).

 

  • Lembre-se, também, das suas vivências de incerteza que correram menos bem. Procure identificar nessas situações aspectos que permitiram fazer aprendizagens. Pondere como, mesmo perante algo incerto e, sobre o qual agiu e, não correu como esperava ou desejava há algo que controla: a sua reacção e pensamentos.

 

  • Valorize as suas rotinas diárias. As rotinas e papéis são estruturantes nas nossas vidas, ajudam a organizar os dias, a perceber o que é possível controlar e a saber o que podemos esperar de nós e dos outros. Por isso, apesar das grandes mudanças que estamos a viver no quotidiano, é essencial manter algumas rotinas e rituais (acordar à mesma hora, fazer as refeições nos horários habituais, dormir bem, reservar tempo para relaxar), a fim de manterem o seu papel organizador e securizante. A previsibilidade e o conforto que advém daquilo que é constante na nossa vida, ajuda a contrabalançar a ansiedade desencadeada pelo que é desconhecido, incontrolável ou assustador.

 

  • Lembre-se que a ansiedade não o/a define. A ansiedade gerada por uma situação de incerteza pode ser incapacitante e até contagiar os outros à nossa volta. Mas a ansiedade resulta da nossa percepção das situações, ou seja, resulta dos nossos pensamentos. Aprenda a lidar com a sua ansiedade e a combater os seus pensamentos automáticos negativos.

 

  • Encontre um significado para o que está a acontecer. Atribuir sentido a um momento de adversidade é útil para definir um foco e lidar com as exigências da situação. No actual contexto é possível encontrarmos diversos significados… por exemplo, se temos mais tempo… podemos aproveitar para fazer coisas que andávamos a adiar ou que dizíamos não ter tempo, podemos reflectir no que é importante para nós, no que valorizamos, quais são as nossas prioridades e reavaliar a forma como utilizamos o nosso tempo e as acções a implementar,… podemos olhar para a oportunidade de voltarmos a estar mais próximos e em contacto, ainda que não fisicamente, mas afectivamente, mostrando o nosso apreço e interesse, contactando amigos que estavam mais distantes, … enfim… há muitas coisas que não controlamos, mas isto está ao nosso alcance… descobrir significados novos e construtivos, para as experiências que vamos vivenciando a cada dia.

 

  • Viva no presente, um dia de cada vez. Lembre-se que não é possível alterar o passado nem antecipar o futuro. O único momento que podemos controlar é o presente. Procure ser flexível e criativo, adaptando-se, um dia de cada vez, às mudanças e desafios que esta situação de incerteza nos coloca.

 

Descanse e relaxe!!