Ainda sobre… Alimentação e Humor…

A alimentação é parte integrante das nossas vidas! O acto de comer representa um dos prazeres da vida e proporciona-nos o combustível que mantém o nosso organismo vivo!

Quando falamos de humor, falamos do nosso estado de espírito ou estado de ânimo cuja intensidade representa o nosso grau de disposição e de bem-estar psicológico e emocional.

A forma como o nosso humor se manifesta pode interferir em diversas áreas da nossa vida, tais como na capacidade de trabalho, nos nossos relacionamentos interpessoais (amorosos, familiares e vida social), para mencionar apenas alguns. Além disso, as alterações de humor podem alterar, também, aspectos importantes como a função imunológica, o apetite, o sono, a concentração e a líbido.

 A ciência tem estudado a relação entre alimentação e o humor e, alguns estudos, proporcionam-nos exemplos de que, o que comemos, pode influenciar o nosso humor diário. No último post que partilhou connosco, o Dr. Manuel Hernández, fez referência a “alimentos da Dieta Mediterrânica que fazem parte de uma “Nutrição Emocional” ( Ver Aqui ). Este é um tema fulcral se queremos ser bem-sucedidos na batalha contra o excesso de peso e ganhar uma saúde e qualidade de vida melhor!

E como a formação de novos hábitos e a sua consolidação, tem por base a repetição, nunca é demais recordarmos estes aspectos, pois ao fazê-lo, estamos a fortalecer as ligações neuronais, no nosso cérebro.

A alimentação é, como referimos, o combustível do nosso corpo. Aquilo que ingerimos, o que quer que seja, vai ter impacto no nosso organismo, humor e saúde!

Recordemos que, o nosso comportamento e as funções corporais são regulados por sinais transmitidos pelas nossas células nervosas, os quais passam de uma célula para outra através de substâncias químicas, chamadas neurotransmissores. Para que o funcionamento do sistema nervoso seja bem-sucedido é necessário que se libertem quantidades suficientes destas substâncias químicas. Alguns destes neurotransmissores, em especial a serotonina, noradrenalina e dopamina, desempenham um papel importante na regulação do humor. O nosso corpo produz estas substâncias a partir de elementos presentes nos alimentos. Por este motivo, é do nosso melhor interesse ter uma alimentação saudável, diversificada e equilibrada, uma vez que, a produção de substâncias responsáveis por transmitir os impulsos nervosos no cérebro, são directamente influenciadas por este nosso comportamento que, tem a particularidade de ser um comportamento voluntário e não automático, isto é, sob o qual podemos agir conscientemente.

 

Deste modo, no que à relação alimentação e humor se refere, há que ter presente que…

 Se comer altera o humor, o mesmo acontece quando deixamos de o fazer, por exemplo quando nos submetemos a Planos Nutricionais  de emagrecimento, onde alteramos a ingestão de alimentos ou nos forçamos a passar sem alguns deles. Nestes casos, é onde, mais uma vez, devemos recorrer aos alimentos que vão colaborar em manter um estado de ânimo ótimo. mantendo uns níveis de serotonina adequados para evitar, no possível, os indesejados estados depressivos que podem aparecer quando abordamos um Plano Nutricional para a perda de peso.

O segredo está  no equilíbrio nutricional desde a perspectiva de atingir uma estabilidade emocional que reforça uma atitude positiva face a manter  no tempo a continuidade dos hábitos nutricionais necessários para a perda de peso.

 

Lembremos que, além de aspectos sociais, culturais, religiosos, entre outros, a razão, a emoção e o custo influenciam as nossas escolhas e preferências alimentares! E…quando estamos perante situações em que temos dificuldade em controlar os impulsos alimentares, excesso de peso/ obesidade, as emoções têm, geralmente, um grande destaque, onde o recurso a certo tipo de alimentos desempenha um papel calmante ou de conforto.

Por isso, façamos decisões saudáveis, promotoras de bem-estar não apenas imediato, mas também, a médio e longo prazo, de modo a que o custo, não seja caro, sobretudo para a nossa Saúde!