Chega de causas perdidas! Os hábitos e a importância da reeducação alimentar e comportamental… (Parte 1)

Olá! Estamos de volta e desejamos sinceramente que a informação que temos vindo a partilhar até aqui lhe seja útil e o/a motive a reflectir, a conhecer e compreender melhor o seu comportamento alimentar, bem como os diversos aspectos envolvidos. Tenha presente que, o desenvolvimento de uma maior autoconsciência é essencial para a formação de novos hábitos, que o/a irão impulsionar na direcção de uma vida mais saudável e com melhor qualidade.

E por falar em hábitos… já pensou que o desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis, começa no seu cérebro?! Este órgão extraordinário tem biliões de células, chamadas neurónios que estabelecem ligações entre si, formando redes neuronais. Dito de forma simples, cada uma dessas redes, representa um pensamento, uma informação, um sentimento… contudo, o que torna tudo ainda mais interessante é que tais redes de células estão interconectadas, possibilitando a formação das ideias, recordações, emoções… as quais ao serem repetidamente activadas, vão tornando as ligações entre elas cada vez mais fortes e mais fáceis de activar (mas em contrapartida, também, se vão tornando mais difíceis de mudar!), assim são formados os hábitos.

Os hábitos alimentares, são formados ao longo da vida, através de repetição sistemática, de modo que, quanto mais repetições do mesmo padrão alimentar houver, mais depressa o hábito se tornará automático, familiar, subconsciente e difícil de mudar.

Então, o que fazer? Bem, o nosso cérebro tem um potencial incrível e assim como aprendemos determinados hábitos, também temos capacidade para aprender e desenvolver outros, mas para tal precisa de ser paciente consigo e dar-se essa oportunidade a si mesmo/a! É possível criar e manter bons hábitos alimentares duradouros, mas para isso precisa primeiro rever os hábitos alimentares actuais e progressivamente ajudar o seu cérebro a formar novas conexões neuronais, revendo, mudando antigos conceitos sobre alimentação e agindo de forma diferente, ajustando progressivamente o seu estilo de vida ao pólo saudável à medida que vai aplicando novas estratégias cognitivas, emocionais, comportamentais e interpessoais.

Reconhecemos que sim, dá trabalho!

Mas reconhecemos, também, que o esforço e energia que investir poderão ter uma mudança significativa na sua qualidade de vida!

Pela nossa experiência profissional, acreditamos que vale bem a pena!

Sugestão para promover a motivação:
Experimente fazer uma análise custo-benefício ou uma lista das vantagens e desvantagens associadas a:
1) manter-se como está, isto é, manter hábitos desfavoráveis à sua saúde ou em alternativa 2) fazer algo de diferente de forma orientada e construtiva, isto é, desenvolver hábitos saudáveis!

Neste âmbito, o papel e a importância da reeducação alimentar e comportamental é um assunto de que falaremos no próximo post! Não perca!