Chega de causas perdidas! Os hábitos e a importância da reeducação alimentar e comportamental… (Parte 2)

É do conhecimento geral que a alimentação é o combustível para nossa vida, uma vez que nos fornece as substâncias necessárias para a realização das nossas actividades diárias. Se não nos alimentarmos, não temos força ou disposição para a realização até mesmo das actividades mais simples, além de que comprometeremos seriamente o desempenho das funções vitais no nosso organismo.
Mas, antes de avançarmos… gostávamos que, por momentos, pensasse no seguinte:

Se tiver um pertence mesmo muito valioso, mas também muito delicado, como o irá tratar?

Acreditamos que o mais natural é que seja cauteloso/a, procure cuidar e proteger o seu valioso pertence, o melhor que conseguir e estiver ao seu alcance, a fim de não provocar danos, pois isso seria um prejuízo significativo!

Pois bem, estabelecendo a relação com o que abordámos no post anterior, o que dizer do seu cérebro?

É um pertence seu, de valor incalculável! É neste precioso órgão que se formam novos hábitos! Como o trata?

Lembre-se que o cérebro, é a nossa central de comando! Para funcionar correcta e saudavelmente, precisa que lhe sejam fornecidos os nutrientes adequados, precisa que façamos tudo o que está ao nosso alcance para minimizar qualquer dano que possa sofrer, caso contrário nossa saúde física e mental sofre prejuízos incalculáveis!!!
Importa relembrar que não adianta simplesmente comer.

A qualidade dos alimentos que ingerimos é fundamental! É preciso alimentar-se correctamente!

A alimentação deve ser diversificada pois não existem alimentos completos capazes de fornecer ao organismo todos os nutrientes requeridos para sua saúde e manutenção.

A alimentação deve ser sensata e adaptada para a perda de peso, lembre-se que a moderação é imprescindível, para que o nosso organismo tenha o fornecimento de nutrientes necessários para o seu melhor funcionamento, sem carências ou exageros.
Deste modo, quando nos apercebemos que a nossa alimentação, a base essencial para fornecer os nutrientes para um funcionamento saudável do nosso cérebro e corpo, precisa de ser revista, torna-se premente uma mudança de hábitos alimentares e de vida!

A nossa reeducação alimentar e comportamental é vital!
Mas atenção! Nada de mudanças bruscas e radicais, pois o mais provável é que ao fazê-lo apenas se exponha a sentimentos de privação e maior frustração, dado que, geralmente são medidas temporárias e as mudanças terão melhores resultados quando ocorrem de forma gradual e sustentadas no tempo,de forma inteligente, possibilitando o aprender, assimilar e consolidar estratégias para lidar e superar as dificuldades, visando a manutenção dos novos hábitos formados e dos resultados que vai obtendo.

Quando falamos de reeducação alimentar…

falamos em aprendermos a fazer escolhas inteligentes, uma vez que, deixar de comer tudo aquilo de que gostamos e “passar fome” não é o caminho!

falamos em permitir-se comer  de forma saudável  e adaptada para emagrecer, sem exageros e culpa!

Trata-se de reaprender, reajustar e redefinir a nossa relação com a alimentação. Escolher alimentos nutritivos, ricos em cores, formas e sabores. A variedade e o equilíbrio são de suma importância para perder peso de forma gradual, saudável e sustentável. É por isso que a reeducação alimentar precisa de ser feita a nível cerebral!

Vejamos um exemplo prático: imaginemos que, decidiu reorganizar o seu guarda-roupa, colocando os casacos em outra divisão ou local. Quando precisar de um casaco, quantas vezes irá procurar no local anterior? Certamente que muitas vezes, dado que esse “caminho” está gravado no seu cérebro e, como tal, é um caminho neuronal automático. Não obstante, à medida que vai repetindo o caminho para a nova localização onde decidiu guardar os seus casacos, gradualmente, vai construindo novas conexões no seu cérebro, que se vão consolidar e levando a que a antiga conexão vá enfraquecendo, até desaparecer. Assim se formam novos hábitos, o que era novo passa a ser algo comum e automático, integrando-se no nosso dia-a-dia.

Lembre-se, os hábitos que promovem a saúde são fundamentais para aumentarem a nossa capacidade de resistir às tentações alimentares, pelo que é importante tê-los constantemente presentes e incluí-los no nosso estilo de vida, deste modo, vamos tornando viáveis novas redes ou caminhos “neuronais” dentro do nosso cérebro, desenvolvendo assim a nossa capacidade em conseguir suportar tempos difíceis sem ter de recorrer à comida como forma de obter conforto.

Em post’s seguintes iremos abordar diversas vertentes da reeducação alimentar e comportamental com sugestões que poderá aplicar na prática. Acreditamos que vai achar interessante! Esperamos por si!