Exercício em fase de Desconfinamento

Após um confinamento duradouro, que para alguns significou pouco ou até a ausência de exercício físico e para outros traduziu-se num espaço de readaptação da prática, levando por exemplo à realização de caminhadas ou fitness online. Consideramos que, apesar de tudo, o retomar da prática em meio social, acarreta um conjunto de ações e procedimentos que até a uma fase de novo ajuste poderão criar alguns entraves para a sua realização.
Nesta fase, mais do que nunca, é fundamental perceber e recordar o que temos vindo a falar, de como o exercício é necessário para a proteção e manutenção da nossa saúde, aumentando a funcionalidade do corpo e da sua resposta perante situações adversas.
John Preto, cirurgião elucida o problema do confinamento no excesso de peso da população, proferindo que:

“A obesidade é hoje uma pandemia muito mais letal que a covid-19”.
https://www.publico.pt/2020/05/22/sociedade/entrevista/obesidade-hoje-pandemia-letal-covid19-1917734

 

Retomando a prática de exercício físico em contexto social

Para além de todos os procedimentos de interação que se começam a sentir na sociedade, como o frequentar de supermercados, cabeleireiros e afins, considerar a atividade física como mais um processo é útil. Contudo ao analisarmos o seu efeito no corpo deparamo-nos sempre com alguns processos que deveremos considerar.

 

Gerir o Espaço
Por norma interagimos através de um espaço pessoal de sensivelmente 1,2 metros, este espaço é dado na maioria das interações como adquirido e formatado inconscientemente na nossa mobilidade.

O distanciamento social (distância superior a 2 metros) exige um maior foco de atenção à sua presença e seu deslocamento no espaço.
Evite estar exposto e praticar atividades intensas em espaços fechados e pouco arejados. Caso frequente ginásios e academias dê preferência ao trabalho de força realizado na mesma e opte por realizar trabalho cardio no exterior. Sabemos que ao intensificar o treino, vamos aumentar consideravelmente o volume respiratório, o que vai em muito afetar a distância de segurança para com os outros.

Higienizar
O treino conduz a um aumento dos fluidos que interagem com o meio e com os outros, o exemplo disto é o suor ou o aumento da taxa de sudação. Higienize frequentemente as mãos, os espaços e os materiais de exercitação.

 

Sair de Casa
Permanecer em ambientes estéreis conduz a um enfraquecimento da sua capacidade imunitária, a exposição a agentes patogénicos aumenta a imunidade corporal, deste modo frequente parques, vá à praia e faça passeios pelo campo.

 

Estruturar
Dependendo da fase de vida que se encontra, do estilo de vida que leva, da condição corporal e de saúde que apresenta é necessário praticar uma actividade física estruturada e acompanhada por técnicos da área do exercício.
Contudo, apresentamos algumas linhas orientadoras para guiar uma prática moderada e consistente que dividimos em 2 grupos:

– Prática pós desconfinamento inativo
Caso tenha realizado um período de confinamento sem exercitação aconselhamos a uma prática guiada sempre nas zonas de conforto e predominantemente cardiorrespiratória, ou seja, sempre que realizar exercício o principal objectivo é fazer no mínimo 30 minutos de uma caminhada, sentindo apenas uma ligeira ativação do organismo. Pratique dentro do ritmo proposto pelo menos 2 a 3 semanas na maior parte dos dias da semana (3 a 4 vezes). Inclua exercício de mobilidade corporal como forma de facultar movimento a todas as articulações nas várias cadeias de movimento – nomeadamente exercícios como a natação ou movimentos de alongamento como o Pilates no mínimo de 15 a 20 minutos por sessão.
Lembre-se que o exercício deve ser de carácter progressivo ao nível de dificuldade e intensidade, para este modelo procure estabilidade e consistência e não se esqueça que a persistência é essencial para poder evoluir para o patamar seguinte.

 

– Prática pós desconfinamento ativo
Caso tenha praticado no mínimo 30 minutos de actividade moderada na maior parte dos dias de confinamento e com isto evitado alguma disfunção corporal então pense em aceitar o desafio de cumprir um plano de fortalecimento muscular em contexto ginásio ou PT, de modo a potênciar a estrutura do seu corpo e com isso contribuir para uma melhoria da sua saúde. Deverá manter o exercício cardiorrespiratório na maior parte das sessões de treino e ainda desafiar o corpo a aumentos progressivos de intensidade tentando fazer um pouco mais em menos tempo.

Bons treinos e lembrem-se que para obter os melhores resultados, procure a ajuda de um profissional do exercício físico.
“Vai Tudo Correr Bem”!