Se Hipócrates levantasse a cabeça…

Hipócrates, nascido na Tessália (Grécia) ano 460 AC. Ele é considerado o “pai da Medicina” pelas suas grandes contribuições para o estudo da Medicina Clínica e destacou-se pelo seu profissionalismo, disciplina e prática rigorosa. Bem, já naquela época, e com base na sua experiência, afirmou:

Se pudéssemos dar a cada indivíduo a quantidade certa de nutrientes e de exercícios, nem muito pouco nem muito, teríamos encontrado o caminho mais seguro para a saúde.

E depois acrescentou:

O homem inteligente deve considerar isso: A saúde é a maior das bênçãos humanas. Que o alimento seja seu remédio.

Na verdade, essas declarações merecem algumas reflexões:

A primeira coisa é sua cronologia. Já faz mais de 2.000 anos que conhecemos a importância da nutrição e da atividade física para a saúde do ser humano. É surpreendente que hoje continuemos a utilizar os mesmos argumentos: falamos do mesmo mas com outras palavras; usamos termos como “abordagem integral”, “modificação dos hábitos” quando queremos procurar soluções para um dos maiores problemas de saúde nas nossas sociedades desenvolvidas (sobrepeso/obesidade).

Mas alguma coisa falha quando parece que conceitos científicos, e as suas recomendações, são claras e, no entanto, os números de novos casos de obesidade continuam em progressão geométrica. Então, o que é que falha? Falha o ser humano, a sua atitude. É por isso que a solução é demonstrar a nós próprios que somos capazes. E isso é conseguido pela aplicação do que nós chamamos Binómio da Superação: Conhecimento e Vontade, capacidades do ser humano associadas à sua inteligência e que lhe permitiram adaptar-se, sobreviver e superar-se.

Bem, o conhecimento, hoje em dia parece que é fácil adquiri-lo neste mundo tecnológico, mas … e a vontade? E a nossa determinação em aplicar mudanças positivas nos nossos hábitos diários? Vamos encontrá-la. Quem procura, encontra! Já tentou?