Nós e o nosso corpo: a importância da auto-aceitação

A ideia sobre o aspecto que gostaríamos de ter, pode ser um forte motivador para a mudança, mas, também, pode tornar difícil a aceitação do aspecto que temos. “Aceitação…?” – talvez esteja a pensar que, se aceitar, isso o/a irá impedir de alcançar os seus objetivos e ambições de perda de peso. Nada poderia estar mais longe da verdade e, isto prende-se, sobretudo, com o significado que atribui à palavra aceitação!

Assim, antes de mais, importa esclarecer que, quando nos referimos à auto-aceitação, referimo-nos à aceitação de nós próprios precisamente como somos, a fim de começar pelo ponto em que estamos. 

 

Ou seja…

 

A auto-aceitação não é resignar-se, recusar-se, deixar estar, não fazer nada ou ser indiferente.

A auto-aceitação refere-se a reconhecer, a assumir.

Deste modo, pode ser um primeiro passo da transformação ao reconhecermos que podemos assumir a nossa condição ou sermos responsáveis pela sua transformação. Esta perspectiva abre-nos a possibilidade de fazermos uso do nosso poder de escolha! Sim, escolher, com consciência, entre aceitar a situação como é e permanecer como se está ou aceitar/ reconhecer/ assumir o ponto em que se está, perceber a necessidade de mudança e iniciar o caminho da transformação pessoal, fazendo mudanças a partir de uma posição de calma e percepção clara, sem recriminação, sem culpa, mas apenas porque se deseja ser diferente.

 

Apesar de poder ser difícil reconhecer e aceitar a realidade, para que se possam produzir mudanças positivas, sustentáveis e orientadas, é fundamental que desenvolvamos uma compreensão do ponto em que estamos neste momento.

No caso contrário, qualquer mudança que fizermos será provavelmente baseada em pensamentos de julgamento crítico, geradores de sentimentos de confusão, ansiedade, tristeza, frustração, ódio, solidão ou culpa. Parece-lhe que estes sentimentos, são os mais orientados para promover a vontade e a energia necessária para operar mudanças construtivas em si mesmo/a?

 

É neste enquadramento que pretendemos levantar a questão que se segue:

 

Como é que se sente relativamente ao seu corpo? 

 

Reconhecemos que esta questão pode trazer diversos sentimentos e/ou desconforto. No entanto e, acima de tudo, é importante que seja honesto/a consigo mesmo/a. 

 

Sugestão: quando tiver uma oportunidade fique despido/a em frente ao espelho, num lugar privado em sua casa, onde saiba que não será incomodado/a por ninguém. Olhe realmente para si, para o seu corpo como um todo e observe-se, naturalmente, sem adoptar posturas que visem disfarçar aspectos que gosta menos. Experimente manter-se assim, durante alguns minutos, em vez de procurar distrair-se dos pensamentos desagradáveis e sentimentos ou desconforto que possam surgir.

Após esta experiência, procure escrever o que sentiu e pensou, como gostaria de se ver, o que pensa que poderia ser de ajuda e o que está na disposição de fazer nesse sentido. Tenha presente que não tem de estar sozinho/a! Num contexto de empatia e sem juízos de valor, um psicólogo/a poderá ajudá-lo/a no processo de auto-aceitação, reconhecimento do seu valor e no fortalecimento da sua confiança interior.

O objectivo passa por desenvolver uma maior consciência de si, baseada na autoaceitação e autocompaixão (diferente de ser condescendente!) de modo a usar os seus recursos e potencial para se sentir bem consigo mesmo/a e ter uma vida mais satisfatória.

 

Sim, é possível mudar a sua forma física, o seu tamanho e o seu peso! 

 

A receita? 

 

Uma abordagem atenta e consciente dos seus hábitos alimentares; escolher alimentos saudáveis, nutritivos e nas quantidades adequadas; realizar exercício físico com regularidade e adaptado à sua condição; cuidar da sua saúde mental e emocional! Não subestime a importância de uma mente calma e com perspectiva construtiva. Aceitar-se a si próprio/a tal como é, neste momento, possibilitar-lhe-á criar as condições favoráveis para realizar mudanças no presente em direcção ao futuro que almeja para si.

 

Lembre-se, aceitação, não significa um lugar sem mudança, significa mudar a partir do lugar em que se está!

 

Não tem de esperar até ter o peso saudável para se sentir feliz!

Pode aprender a encontrar um sentimento de satisfação ao mesmo tempo que vai atingindo as suas metas de perda de peso. Como? Abordando os seus objetivos a partir de um ponto de vista construtivo, livre de juízo crítico, com uma motivação bem definida e saudável, poupando-se ao esforço e desgaste mental necessário para manter à distância “sentimentos negativos”.

 

Poderá alcançar os seus objetivos de forma mais descontraída e equilibrada, ao mesmo tempo que aprende a viver e a aproveitar a vida!