Quantidade de Movimento Versus Qualidade de Movimento

A quantidade de movimento está associada ao número de calorias despendidas. Contudo, quando falamos no processo de perda de peso em indivíduos com obesidade, a abordagem do exercício pela lógica do “mais” pode ser um erro crasso que poderá comprometer prematuramente o sucesso na abordagem ao exercício.

A imposição de uma lógica do “mais” exercício pode ser comummente relacionada com dois conceitos:

Volume 

     –  Maior número de séries, número de repetições e número de exercícios;

Intensidade

     –  Aumento da carga, aumento da velocidade, diminuição do tempo de repouso.

 

Como regra base do exercício físico sabemos que:

 

  • Quanto maior a  quantidade de exercício menor vai ser a intensidade alcançada no mesmo.
  • Quanto maior intensidade de exercício, menor vai ser a quantidade de exercício realizado.

 

Numa abordagem motivacional de gosto, ou iniciação à pratica de exercício físico deve ter sempre presente que:

                       “De nada serve aumentar se não existir a motivação para continuar”.

O indivíduo obeso ou com excesso de peso, sedentário ou pouco exercitado enfrenta dificuldades não só de ordem física (pouca resistência cardiovascular, mobilidade articular reduzida, sobrecarga estrutural…) mas também de ordem motivacional (tendência para resistir à pratica de exercício físico, noção de um longo e árduo percurso a percorrer…)

 

Como arranjar a motivação para o movimento?

Encontre a motivação certa para a prática de movimento através da qualidade do próprio do movimento. Neste sentido propomos a palavra “adaptação” como fator chave e transformador do aspeto motivacional associado à pratica de atividade física.

Várias teorias da motivação relacionam o nível de envolvimento dos indivíduos com o seu nível de motivação. Os indivíduos estão tão mais motivados quanto mais envolvidos estiverem na ação.

Sugerimos que, neste processo sejam incluídas as formas básicas do movimento humano como: caminhar, correr, saltar, pegar, empurrar, rastejar, trepar, equilibrar. Inclua de uma forma não doseada para a quantidade, intensidade e repetição mas sim para a recreação e o controlo do seu corpo através do movimento. 

Utilize padrões de movimento diversificados e combinados entre si, envolvendo o equilíbrio dinâmico do corpo no movimento, a estabilização articular e o ajuste da posição do corpo no espaço.

 

Veja-se alguns exemplos associados ao fitness:

https://www.movnat.com

https://www.animalflow.com

A qualidade percebida por parte do praticante face ao movimento é a fonte de alimentação para mais e melhor concretização, logo a essência para mais e melhor prática de exercício. 

Aceite a nossa proposta prática para procurar um melhor movimento e o estimulo certo para iniciar uma prática física consciente e desafiante.

 

                                                                        Proposta prática

Realize os exercícios as vezes que quiser e tente exercitar-se por entre 20 minutos, entre exercícios descanse 60 a 90 segundos.

 

                                                                            Exercício 1:

Use uma cadeira ou um banco e encoste-o à parede, seguidamente sente-se e levante-se sem apoiar as mãos tentando manter o tronco numa posição neutra. Realize o movimento de forma controlada, suave tentando manter ao longo do movimento o controlo postural do corpo.

 

Níveis de evolução no exercício:

1 – Procure aumentar progressivamente a velocidade de execução

2 – Procure travar antes e próximo de se sentar

3 –  Realize o exercício sem a cadeira ou banco  

 

                                                                             Exercício 2:

Partindo da posição neutra realize uma passada larga para frente e estabilize o corpo, seguidamente realize a passada inversa para voltar para a posição neutra; realize seguidamente uma passada para trás, estabilize o corpo e realize a passada inversa para voltar à posição neutra.  Faça uma perna de cada vez.

 

Níveis de evolução no exercício:

1 – Procure aumentar progressivamente a velocidade de execução

2 – Procure aumentar progressivamente a distância dos apoios 

3 –  Junte o movimento passada à frente e passada atrás sem colocar o apoio  no chão na passagem pela posição neutra 

 

                                                                               Exercício 3:

Partindo de uma posição neutra com a mão colocada atrás da cabeça tente aproximar o máximo possível o cotovelo do braço correspondente ao joelho da perna oposta. Realize o movimento de forma controlada, suave tentando manter ao longo do movimento o controlo postural e o equilíbrio.

 

Níveis de evolução no exercício:

1 – Procure não entrar em desequilíbrio corporal 

2 – Procure diminuir progressivamente a distância do cotovelo ao joelho

3 –  Realize o movimento de olhos fechados. 

 

                                                                            Exercício 4:

“Escalada Horizontal”- partindo de uma posição de 4 apoios (2 mãos e 2 pés), desloque-se no chão em apoio sucessivo para a frente.

Níveis de evolução no exercício:

1 – Procure aumentar progressivamente a velocidade de execução

2 – Procure aumentar progressivamente a distância dos apoios 

3 – Durante o deslocamento tente aproximar o pé à mão do lado correspondente;  

 

                                                                              Exercício 5:

Equilíbrio sobre a “trave” – encontre uma superfície com altura aproximada de 5 cm e caminhe sobre a mesma;

Níveis de evolução no exercício:

1 – Procure aumentar progressivamente a velocidade de execução

2 – Procure variar a direção do exercício (caminhar para a frente e para trás)

3 – Realize a caminhada de olhos fechados;  

 

Força!….e perante qualquer questão em relação com este artigo, disponha sempre.